Dados Económicos Angolanos

Luanda

Angola assume-se hoje como uma economia de extrema importância no que diz respeito ao desenvolvimento económico do continente africano. Em 2012, o rendimento anual per capita situou-se nos 6.000 USD, sendo que este mesmo número tende a aumentar, de acordo com o crescimento económico do país. No ano de 2007, foi considerado um dos países com maior crescimento em termos mundiais.

Sem dúvida que ter no seu território reservas de petróleo, constitui uma segurança económica para o estado atualmente. Atualmente este é o produto mais exportado por Angola, e por isso um factor imperativo no crescimento económico. Segundo o Economist Intelligence Unit, a economia angolana continuará a crescer, rondando os 7% este ano (2013), muito devido à exploração de novos poços petrolíferos. Angola importa atualmente cerca de 90% dos bens de consumo, e a taxa de inflação ronda os 10% no presente ano. Esta taxa é tão elevada uma vez que não existe uma forte concorrência no mercado fazendo com que os players de mercado praticam os preços que mais lhes interessam.

Existe ainda uma deficiência na logística de transporte angolana, uma vez que a experiência na mesma é muito reduzida. Assim, com parceiros mais credenciados no mercado, será mais fácil o transporte de todos os produtos. O Governo goza atualmente de uma folga orçamental muito favorável para investir em estruturas públicas e redes de ligação, tentando desta forma atrair ainda mais investimento externo privado.

Em Angola, não existe uma rede forte e eficiente de água, eletricidade, escolas ou até hospitais, mostrando-se assim imperativo que o país resolva estes problemas estruturais, para reduzir a pobreza e o desemprego, especialmente no interior do país. Este número elevado do desemprego prende-se sobretudo pela não qualificação da mão de obra angolana, fazendo com que os nativos não se enquadrem tão facilmente nas exigências empresariais do país.

Hoje, o Governo tem como principal objetivo o desenvolvimento de condições para o lançamento de novos setores de atividade que não estejam ligados à indústria petrolífera, tentando desta forma diminuir a pobreza e o desemprego. Embora não muito explorado, o setor agrícola pode ser um dos principais setores para o aumento do PIB, uma vez que é considerado o 16º país com maior potencial agrícola. Assim, a médio prazo dever-se-á investir de forma mais prioritária na a agricultura e agro-indústria, bebidas, pecuária e pescas, indústria ligeira associada à construção e à indústria petrolífera e ainda o turismo, conseguindo desta forma aumentar o nível de vida.

ContactoPretende importar ou exportar para este país?

Peça-me mais informações!